Posts tagged “Ronaldinho

fim-de-festa

Sofia,

Não te falarei hoje dos desaires desta última semana. Até ao lavar dos cestos é vindima, e balanços guardá-los-ei para o fim. Hoje é dia de falar da ponta de tristeza que acompanha o fim da época futebolística, do ar de fim-de-festa, do terror da silly season, das longas semanas de ausência de futebol, notícias disparatadas, contratações certas e mais tarde abortadas, jogadores desviados para os rivais, dispensas e demais manobras que mais não fazem do que aumentar o desejo por uma nova época, por futebol a sério. Depois a pré-época, onde surgirão promessas certas, talentos escondidos, confirmações surpreendentes. Que não tardaram a cair no esquecimento. De futebol, nada. Sim é duro para mim, como sei ser para ti. No meu caso, a ida a Belo Horizonte suavizará essa privação, com a oportunidade de ver o Atlético, na melhor fase que lhe conheci, de ver ao vivo a nova vida de Ronaldinho. Gaúcho? Definitivamente deveria ser “o Mineiro”. Ronaldinho, o  Mineiro, que belo soaria. Isso sim, seria fechar em alta uma longa carreira de altos e baixos, de genialidade e descaso. Isso sim, seria digno das melhores histórias de ressurreição no futebol, da sua dimensão simultaneamente humana e mítica. Sei que Julho e Agosto serão duros para ti. Por isso aqui deixo a promessa de um lugar guardado no Independência. E de um prato de feijão tropeiro à tua espera…

Pedro

Anúncios

mais um derby

Sofia,

Sim, por vezes invejo-te, por vezes invejo o ritmo a que se sucedem os jogos da Premier League, invejo-te quando, passando no café a meio de uma qualquer semana, vejo os gunners a jogar imaginando-te pregada à televisão com uma Guiness por perto. Enquanto isso o nosso Benfica folga. Sim, irritam-me as paragens da Liga, prolongadas e vazias, deprimentes e preguiçosas. Há a festa da Taça, dirás, e também a taça da Liga… Mas não, não é a mesma coisa. Ver a segunda-mão de uma meia-final da Taça tem pouco mais emoção do que a transmissão televisiva de um jogo de golfe (que o Joel não me ouça…). Sim, já me tentaste convencer das vantagens  de ter vários clubes no coração, como tens o Benfica e o Arsenal ou o Southampton. Multiplicam-se as oportunidades, é certo, mas divide-se a emoção, diria. Além disso não o consigo. O meu coração é do Benfica. Ponto. Sim, vibro com a entusiasmante fase do Atlético Mineiro de Ronaldinho, sinto-me merengue a espaços e gunner por vezes. Mas o que me move é o Glorioso, o que quero é o escudo da Liga nas nossas camisolas. O que quero é despachar isto, arrumar o Sporting e ser campeão na Madeira. E pelo meio sentir a vertigem de jogar em Istambul, a caminho de Amesterdão. É o nervoso miudinho que me move. Esse que cresce em exponencial à medida que se aproxima mais um derby absolutamente decisivo, uma semana louca que decidirá a glória ou o desespero. E outra, depois, e ser assim até à festa no Marquês, até ao fim de uma das melhores épocas de sempre. Se estou eufórico antes do tempo? Claro, mas sabes bem que é assim o meu futebol. Invejo-te por vezes. Não hoje, não na véspera do derby…

Pedro, 20 de Abril de 2013