Posts tagged “Paris Saint-Germain

o Açor



Pedro Pauleta nunca foi, para mim, mais do que um jogador vagamente interessante. Nunca percebi o que Scolari via nele, sempre achei teimosia Gaúcha a sua titularidade,  cega e obstinada. Não entendi a veneração de que era alvo em França, vendo com estupefação a sua eleição como melhor jogador de sempre do Paris Saint-Germain.

Era eficaz, não há como negá-lo, foi eficaz em todos os clubes por onde passou, desde o Estoril-Praia ao Bordéus, do Depor ao Paris Saint-Germain. Mas via-o apenas como isso: eficaz.

E, sabemos todos, não basta ser eficaz para ser um ídolo, não basta ser virtuoso, veloz ou forte para ser uma lenda. Para isso há que ser maior do que um hectare, há que superar o jogo, ser lembrado por mais do que um belo golo, por mais do que qualquer vitória, por maior que seja.

E Pauleta foi lembrado, a uma mesa de jantar, nas palavras embevecidas e graves de alguém que muito prezo. Não por qualquer golo, não por qualquer jogo, toque ou malabarismo. Foi lembrado por ser Açoriano. Por representar a superação para todo um povo. Por chegar onde nenhum Micaelense julgou ser possível, onde nenhum Terceirense jamais ousou sonhar. Por chegar à Selecção Portuguesa, por ser todos os Açorianos a envergar aquela camisola.

Por voltar aos Açores, por voltar a jogar aos 38 anos, pelo Desportivo de São Roque no campeonato de São Miguel.

Por tudo isso olho hoje para Pauleta de forma diferente, entendo agora o que de notável teve a sua carreira. Entendo finalmente porque é merecidamente um ídolo.

E sinto subitamente vontade de rever o voo do Açor, com que comemorava os seus inúmeros golos. Com a camisola do São Roque, desta feita…

Anúncios