Posts tagged “maradona

II Nápoles

Foi Nápoles a desgraça de Diego Armando. Decadente e suja, mafiosa e perversa. Devoto de Maradona, chegara à Piazza Garibaldi com baixas expectativas. Seria a cidade sobretudo um posto avançado para, usando a Circumvesuviana, chegar às míticas Herculano e Pompeia. Foi assim que, passando Porta Nolana, se dirigiu a Castel Nuovo, seguindo o caminho mais recto, passando por vielas sujas e praças decadentes, roupa nas janelas, construções caóticas e futebol de rua, futebol como lixo, por todo o lado. Mas é curva a arte do futebol, chapéu, trivela, livre em arco, passe de letra. Como é tudo menos linear a trajectória de um 10 genial, com tempos negros e momentos de glória. É curvo também, o golfo de Nápoles, fazendo suceder aleatóriamente beleza e decadência, esplendor e pretenciosismo, ordenamento e caos. Foi assim que, encontrando fechada a pizzaria onde pretendia retemperar energias entretanto esgotadas pelos intermináveis passeios, deu de cara com a mítica Da Michele. Não fazia questão de ali ir, detestara o filme onde Julia Roberts comera a lendária Margherita. Mas, naquele momento, achou melhor não desafiar o capricho do destino que o levara àquela porta discreta. Em boa hora o fez, pois não sendo a melhor pizza que comeu, longe disso aliás, foi a mais surpreendente. Desarmante na simplicidade, única no gosto, encantadoramente enquadrada no ambiente informal e familiar, com retratos de família que, desde 1870, se ocupava daquele singelo e mágico forno. Talvez volte a Nápoles, talvez. À Da Michele voltará. Assim queira o destino caprichoso…

(Quis o destino que escrevesse este texto no dia de aniversário de Pablo Aimar, outro mítico 10, o melhor que vestiu de águia ao peito. Parabéns a ele…)

Anúncios

adios…

1992.
Maradona abandona Nápoles. Em desgraça.
É vox populi que foi la piovra que deixou cair el Pibe.
2010.
Grandes esperanças, rodeiam a selecção Argentina.
Messi, Di Maria, Tevez.
Maradona, exuberante no banco.
Todos esperam a conquista da Jules Rimet.
Mas eis que é a Mannschaft que lhes sai em sorte.
E com ela novamente um cefalópode, no caminho de Diego Armando.
Paul, de seu nome. Vidente, segundo dizem.
E adivinhou a saída da Alviceleste.  A segunda queda de Maradona.
Estivesse o Paul aqui à mão, e haveria arroz de polvo, amanhã…

intervenção divina

Só uma intervenção divina pode salvar a França.
Disse-o Domenech. E disse-o com razão.
A França entra para o último jogo obrigada a ganhar aos anfitriões.
México e Uruguai classificam-se com um conveniente empate.
Bem pode pois o seleccionador Francês evocar protecção divina.
Mas contra Unkulunkulu, só uma divindade do futebol pode servir-lhe.
E dessas é Maradona a que está mais à mão.
E quem sabe se não será Diego Armando a última esperaça dos “bleus”.
Porque é verdade que um empate serve a Mexicanos e Urugaios.
Mas não de forma igual.
A um deles espera-o a temível Argentina.
E pode ser esse factor que impeça o pacto. A acomodação.
Que leve o México a arriscar, para evitar Messi.
Que parta o jogo. Que impeça a modorra previsível.
E que desfaça o empate.
Que ajude Domenech.
E confirme Maradona como Deus Maior…