justiça, ao cair do pano

O Benfica é a equipa que melhor joga hoje em Portugal. Todos o sabem, ainda que nem todos o reconheçam. E o jogo de hoje na Luz mais não fez do que demonstrá-lo com grande dramatismo, mas com inteira justiça. Porque foram dramáticos aqueles instantes finais, em que Coentrão descobriu forças onde mais ninguém as sabia, pondo por fim o marcador a pender para onde devia. Justiça que os postes, a barra e Marcelo negaram sucessivamente, que Djalma quase aniquilou mas que Sálvio fez renascer. Sofreu-se na Luz, bem como em inúmeros sofás ou mesas de café por esse país fora. E foi com incontida alegria que se gritou golo, naquele minuto 94, foi assim no café do Sr Coutinho. O campeonato, provavelmente já está entregue. Cairemos contudo de cabeça erguida, com estádios cheios, com emoção e com futebol. O Benfica é a equipa que melhor futebol joga em Portugal. Todos o sabem. Villas-Boas incluído

Anúncios

a primeira vez

Não foi a minha primeira vez, na Luz.
Foi a da Luisa.
E foi para a Luisa.
Foi por ela que a chuva parou, depois do dilúvio.
Foi para ela toda a chuva do dia.
O cheiro do relvado húmido, ali à mão.
Foi por ela que, um a um, David Luiz, Aimar e Coentrão desfilaram, naquela lateral esquerda.
Que Maxi e Luisão foram inultrapassáveis, na direita da defesa.
COmo só podia ser para ela aquele golo do Carlos Martins.
Não foi a minha primeira vez, na Luz.
Mas foi única.