Archive for Novembro, 2012

nós somos futebol

(Enzo Pérez em Barcelos, by Luisa)

Há algo de entusiasmante neste Benfica. Algo de imprudente e ousado, urgente e desvairado. Algo que me faz lembrar o Benfica de 2009/2010, o primeiro de Jorge Jesus, o que será lembrado como o do renascimento. Dessa época lembro-me da vertigem, do tudo ou nada. Era a Liga ou a ruína, a glória ou o abismo. No campo brilhavam Aimar e Di Maria, Luisão e David Luiz. Cardozo marcava, com Saviola a seu lado. E brilhava Jesus, brilhava a dinâmica frenética, o ataque desenfreado, como se não houvesse amanhã. E talvez não houvesse, talvez fosse precisamente isso que estava em jogo. Houve, felizmente, e o escudo da Liga haveria de embelezar as camisolas berrantes no ano seguinte.

Duas ligas entretanto perdidas para o Porto, a última das quais de forma impensável, haveriam de fazer regressar tensão suficiente para que ganhar se tornasse essencial, bastante para por em causa a cabeça de Jesus. E de súbito a saída de Javi, e o adeus de Wit$el, de súbito nuvens negras sobre o centro do campo, de súbito o dramatismo de volta. A incerteza, o abismo ou a glória. E mais uma vez, entre eles, terreno fértil para a paixão. Para o futebol desregradamente ansioso. Para os riscos desnecessários de Melgarejo na esquerda, para  Ola John tão imparável como imprevisível, para um Sálvio bipolar na direita. Pelo meio o empurrão de Luisão que haveria de sobressaltar mais a nós, Benfiquistas, do que ao ridículo Fischer. Mas eis que tivémos Jardel então, oscilando entre o auto-golo de Moscovo e segurança tranquila  com que se passeou no resto do tempo. Eis que Lima surgiu, rapidamente justificando a passagem de incompreensível negócio a dor-de-cabeça para Rodrigo. Eis que da cartola Jesus tirou Enzo Pérez, passado de renegado a estrela improvável. Eis que o jogo volta a ser mais frenético do que consistente, mais histérico do que prudente. Como deve ser. Dissabores? Por certo que os teremos, provavelmente já em Camp Nou. Ou em Alvalade. Mas no fim, no fim vencerá o ataque desenfreado, o sentido único, os golos de bandeira. Vencerá o futebol, como deve ser. Vencerão as papoilas saltitantes.


Imagem

Weekly Photo Challenge: Thankful


Special Photo Challenge: Inspiration

Sim, é o futebol a minha inspiração. Foi o futebol a inspiração para a criação do blog, foi o futebol o motivo para começar a escrever. Como haveria de ser o futebol o motivo para voltar à “lanchonete” sempre que tudo o resto falhou. Como será o futebol a fazer-me voltar, sempre que tudo o resto soçobrar. E sim, é paixão o que me faz escrever sobre futebol, é paixão o que me leva a sentar nas bancadas da Luz, é paixão o que me faz sair de casa faça chuva ao sol até ao café mais próximo. Para saltar com os golos de Cardozo ou Lima, os passes de Gaitán ou a magia – sim, é magia – de Aimar. É pois o futebol, mais do que a minha paixão, a minha inspiração…

(nota: o desafio consistia em usar uma foto do blogger fazendo algo inspirador. Eis a explicação para a ridícula imagem acima…)

outros posts sobre futebol e paixão…

Braga

Mengo

it ends tonight

o Açor

a primeira vez


Weekly Photo Challenge: Green

Dos lugares recordo cheiros, sabores, mas guardo sobretudo cores. Do meu Porto guardo o cinzento majestoso e humilde do medievo granito. De Minas recordarei sempre o exuberante vermelho do minério de ferro. De Lisboa acompanha-me o branco que lhe dá o Sol, que o Tejo reflecte. Os Açores, esses surgem sempre que de verde se trata. Os Açores, esses são o próprio verde. Sejam os campos de chá da Gorreana, sejam os verdes pastos que cobrem São Miguel ou os bosques que guardam a lagoa de«o Congro. Sim, é dos Açores que falo quando o tema é o verde…

(São Miguel 2011)


Weekly Photo Challenge: Renewal

20121110-100201.jpg

Poucas coisas evocarão o conceito de renovação tão imediatamente como as flores. Elas que, florescendo, marcam o reinício de um ciclo. Que, surgindo, recordam a necessidade de seguir em frente. Que, morrendo, deixam a certeza de renascer outra vez, mais tarde, quando for hora de renovação.
Esta, com um oportuno caule em forma de “S”, publico-a em dia de aniversário, em resposta ao desafio semanal, em jeito de presente virtual para terras distantes…


Imagem

Weekly Photo Challenge: Geometry

20121102-211903.jpg
Porto Covo, 1998. Original em diapositivo Fuji RDP100, corpo Pentax P50 e objectiva SMC Pentax 50mm f1.8.