I. Roma

Chegava a Roma certo de que as horas que ali passaria seriam escassas, apenas as necessárias para assistir ao nascimento de uma paixão. Afinal todos diziam da sua majestosidade, da história a cada esquina, do museu a céu aberto. Chegava a Termini decidido a não perder tempo com minudências, demorados almoços, restaurantes da moda. De esquina, a Pizzaria Etna parece piscar o olho a quem, saindo dessa enorme porta, se decide a explorar a cidade aberta. Despretenciosa, rápida, honesta. Tal como o taglio de Margherita obviamente acompanhada de uma Nastro Azurro. Ali voltaria depois dessa jornada, com pressa de rumar a Nápoles. Ali voltaria buscando conforto para a frieza com que Roma o havia recebido. Ali voltaria para, seduzido por mais um taglio de Pizza, decidir dar uma segunda oportunidade à cidade. Voltará, é certo. A Roma, e àquela esquina que, evocando o vulcão Siciliano será porta de entrada para mais uma jornada, no futuro. E aí, quem sabe, nascerá uma paixão…

Advertisements

2 responses

  1. Visitei Roma num outubro escaldante e por lá fiquei uma semana. Adorei mas, pra ser muito franca, pra mim Roma tá vista. Amo a Itália, volto lá milhões de vezes, mas meu coração pertence mesmo àquelas cidadezinhas minúsculas cheia de charme, onde a gente sempre descobre um aqueduto romano, uma ruína etrusca e, claro, uma cama onde Garibaldi dormiu… 🙂
    A Itália é mesmo inesgotável.
    bjk

    Novembro 2, 2011 às 11:40 pm

    • Lá chegaremos, Mônica, lá chegaremos…

      Novembro 3, 2011 às 11:01 pm

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s