praia branca



Gosto de nevoeiro. Denso.
Da ausência de referencias, da paz, do silêncio.
Das minhas visitas a Serralves nunca esquecerei aquela em que, no edifício de Siza, entrei numa divisão, feita instalação, completamente branca, cheia de um qualquer gás branco, denso que não permitia ver mais do que um palmo à frente do nariz. Literalmente.
Lembro até hoje a sensação de vazio absoluto, de falta de referência. De chão, tecto, paredes. De tempo, até.
Que me encantou.
Como me encantou a praia do Cabedelo, ontem.
Quando, depois de atravessar a densa vegetação das dunas, cheguei ao areal, no preciso momento em que do Norte chegou um nevoeiro perfeito.
Subtil mas decidido.
Engolindo, em primeiro lugar a magnífica Igreja de Santa Luzia.
Baixando à cidade, ao porto, cruzando a foz do Lima.
A praia fez-se nuvem.
E continuou com a sua vida de praia.
Jogos de futebol, conversas, mergulhos e surfistas.
Vultos cinzentos, fundo branco.
Veio o sol. Vieram as cores.
E todos continuaram, indiferentes.
Mergulhei então no Grande Atlântico.
Satisfeito por ter tido o meu momento de paz.
O meu momento branco..
Advertisements

8 responses

  1. MercedezBenz

    Procuro esse branco desde de que sou gente… e espero nele morar quando deixar minha pele pra sempre 🙂

    Julho 12, 2010 às 10:44 pm

    • …felizmente vamos encontrando uns momentos brancos assim durante a vida…

      Julho 14, 2010 às 10:09 pm

  2. nossa, que lindeza!

    Julho 13, 2010 às 2:34 am

    • Obrigado Andrea!
      (aproveita que logo logo começa o campeonato Português e eu volto ao futebol…)

      Julho 14, 2010 às 10:10 pm

  3. Celso

    Linda foto, Pedro. Dificil imaginar que o sol reapareceu e você pode nadar.
    Abraço a todos,

    Celso

    Julho 13, 2010 às 12:09 pm

    • Celso, apareceu e foi o melhor mergulho de mar de que me lembro tem anos…

      Julho 14, 2010 às 10:12 pm

  4. Sininho

    Belíssimo texto, Pedro!
    A foto ficou excelente!

    A mim, o nevoeiro denso provoca-me uma espécie de claustofobia e desorientação…

    Quase como algo invisivel que se cola à pele e me impede de respirar.

    Quando vi a foto foi como se estivesse lá…

    Um abraço

    Julho 13, 2010 às 5:10 pm

    • torna o ambiente pesado, é certo. Mas por outro lado dá-nos uma liberdade brutal…

      Julho 14, 2010 às 10:18 pm

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s