Quinta-feira de Endoenças

É-me particularmente cara, a quadra Pascal.

E é assim desde a minha infância.

Quando saíamos de casa, no Domingo de Páscoa, para passear pelas ruas do “Povo”, núcleo original desse distante Caramulo.

Quando saíamos, cumprimentando os conhecidos.

E os familiares distantes, que não víamos desde a última Páscoa. Desde o último regresso.

Quando parávamos para saudar a Ti’Ana, invariavelmente sorridente e alegre. Invariavelmente sentada no banco de pedra à sua porta.

Quando tentávamos adivinhar onde estaria a visita Pascal.

Teria já passado no ti Flausino? Ou teria chegado já ao Ti’Henrique.

Será melhor apressar o passo, pois temos temos chegar a casa do Avô António e da Avó Fausta antes que o Senhor Abade lá chegue…

E já à noitinha a visita entrava finalmente em nossa casa.

Acompanhada por uma sábia palavra do exausto Abade.

Que podia ser uma qualquer observação sobre a origem do nome Vasco, meu primo.

Ou a feliz constatação de que Deus tinha feito coincidir a Páscoa com a Primavera.

Feliz era a Páscoa no Caramulo.

Para onde rumarei, feliz, amanhã.

Esperando que hoje, quinta-feira de Endoenças, Jesus cumpra a tradição.

E que seja Rafa Benitez, o cordeiro sacrificado.

(para a minha avó Piedade – n.14/06/1911 – f.01/04/2006)

Senhora da Hora, 01 de Abril de 2010

Anúncios

6 responses

  1. Cristina

    Happy Easter!

    Abril 1, 2010 às 9:43 pm

  2. obrigado e volte sempre…

    Abril 1, 2010 às 9:53 pm

  3. Alcina Cruz

    Olá Pedro,
    Fizeste-me viajar no tempo e recuar até à minha infância!
    A primeira memória foi do cheiro a cera da casa dos meus pais e do jardim cheio de flores
    Quando era criança, normalmente na Páscoa, já calçava as sandálias inglesas e vestia roupa leve. Amanhã levo as botas…
    Adorei o texto!
    Bj

    Abril 3, 2010 às 11:19 pm

    • Felizmente a primavera resolveu finalmente visitar-nos, neste Domingo de Aleluia. Até o Cuco resolveu anunciar a chegada da estação…
      Bj

      Abril 5, 2010 às 9:10 am

  4. Ana

    Olá padrinho

    Belo texto. Tenho algumas das lembranças de que falas…e a memória também é isso. A nossa capacidade de recordar o que nos foi grato e fez feliz.
    Talvez por isso, e não só, volto sempre aos locais onde fui feliz. Talvez por isso voltarei sempre ao Caramulo, pois é lá que me encontro e que me reconheço.

    Um Grande abraço e Boa Páscoa!

    P.S. continua a escrever

    Abril 5, 2010 às 2:26 pm

    • É assim o Caramulo: Mágico…
      E descansa: não deixarei de escrever, esperando que não deixes de ler…
      Não deve ser surpresa para ti, mas o teu pai era o mais assíduo leitor e o mais feroz crítico do “lanchonete” original(lanchonete.blogspot.com).
      Bj

      Abril 5, 2010 às 8:53 pm

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s